O Par Perfeito

Já ouvi tudo quanto é tipo de reclamação em relacionamentos. É sempre um lado reclamando da falta de atenção do outro, até mesmo enquanto a pessoa está solteira. É só “quero alguém que me dê atenção, que não fique na frente da TV o dia todo tomando cerveja, etc”. Só cobranças. Mas chegando na hora H, o que acontece? Independentemente do quanto você se mata para agradar a outra pessoa, ela vai achar algo ruim e reclamar depois. É de lei isso, e eu já desisti de lutar contra.

Antes do relacionamento, as reclamações são sempre as mesmas. Querem atenção, carinho, cuidado, uma lista enorme de coisas que só falta incluir formalmente um seguro de saúde e vale transporte. Concordo que seja chato você estar com alguém que parece que nada entre vocês seja mais importante que outros assuntos, mas e quando a estória não é essa?

Vejam bem. Eu com certeza não sou nenhum namorado modelo, daqueles que você fala “Vamos casar agora e ter 3 filhos!”, mas de longe não sou daqueles que chega bêbado em casa, bate na mulher, chuta o cachorro, xinga as crianças e assiste futebol na TV com o pé sujo em cima da mesinha de centro. Eu fico em casa estudando, lendo, jogando videogame, brincando com o gato, entre outras coisas. Ao contrário, eu tento me lembrar dos aniversário, dou presentes que sei que a pessoa vai adorar, conheço a família e amigos, entre outras coisas. Chego até meus limites. E você acha que por isso as coisas são diferentes comigo? A resposta é NÃO. “Eu preciso pensar um pouco em mim”. “Eu me anulei”. “Eu fiz muito por você”. As três principais reclamações que eu ouço e, pelo que ouço nas conversas com amigos, são as mais comuns.

“Eu preciso pensar em mim”. Concordo. Namorar não é virar pai dos outros, embora aconteça muitas vezes. Agora, eu me preocupo com o horário que sai de casa, o horário que chega, me preocupo em tentar não deixar os finais de semana serem tediosos, me preocupo com os estudos, até com a alimentação e as contas. Faço massagem, tento cozinhar (geralmente é algo congelado, mas eu tento), o que mais falta? Depois a pessoa chega para você e fala “eu preciso pensar em mim”. Claro! Como eu não pensei nisso antes?? Precisa mesmo. Pense em você enquanto EU paro de me preocupar com você, porque se eu precisar resolver um problema meu e um do outro, eu resolvo o do outro antes. Por isso acho bom mesmo a pessoa ir lá “pensar em si mesma” e fazer tudo o que quer, porque na verdade o que ela quer é arranjar algum motivo para briga e confusão.

“Eu me anulei” é a outra frase que me estressa absurdamente. Eu nunca, NUNCA quis que alguém se anulasse nem tentei isso. Se os amigos chamam para sair e eu não quero ir, eu NUNCA proibi nem fiz cara feia para isso, e acho que isso deveria virar lei. Quando alguém chega para mim e diz “eu me anulei”, me dá vontade de dizer “e eu com isso?”. Não sei se vocês perceberam, mas a frase não é “VOCÊ me anulou”, a própria pessoa escolheu esse caminho, e,acreditem, eu tento evitar que façam isso. Eu quero MESMO que saia com os amigos sem mim, eu quero MESMO que encontre os amigos da faculdade e eu não quero atrapalhar nada disso. Eu conheci a pessoa nesse habitat e foi isso que formou sua personalidade. Afinal, o que as pessoas entendem como se anular e por que fazem isso? A pessoa deixa de fazer as coisas que quer ou que precisa e ainda vem jogar isso na sua cara para quê? Para você se sentir culpado por sentir pena? Infelizmente não funciona.

Finalmente, vem o “eu fiz muito por você”, geralmente em combo com um “você tem que considerar isso”, uma Coca média e fritas. Deixei essa para o fim porque essa resume muito do assunto. Não sei se as pessoas colocam muita expectativa em cima das outras ou se realmente só se lembram da parte que interessa. Você faz o que você acha que é especial para a pessoa. Quando uma moça deixa de assistir aquele capítulo da novela para sair com o namorado pode parecer nada demais para ele, mas para ela foi, nem que seja só um dia que ela ficará sem poder conversar sobre o que aconteceu naquele episódio durante um dia. Por isso eu nunca esqueço os pequenos atos que as pessoas fazem por mim, ao mesmo tempo que alguns destes eu não consigo perceber. Agora virar para mim e dizer “você precisa considerar e dar valor ao que eu fiz para você”. OK. Vou dar valor. Quanto você quer no cheque? Porque esse tipo de frase não dá para ser interpretada de outro jeito.

Ou seja, você pode ser quietinho, ser ombro amigo, aquele que não fica saindo, aquele que fica tentando surpreender e se preocupando. No final das contas o balde d’água fria é o mesmo e voltamos a estaca zero. Mas enfim, é a vida. Começa-se de novo tentando evitar os erros do passado, e assim se cai em erros novos. Não existe o par perfeito, existem as pessoas que sabem jogar com as regras e fazer das brigas boas lembranças para serem lembradas depois. E a cada briga que passa eu fico de olho para ver se dessa vez será essa pessoa, ou só mais uma que acredita no que vê nos filmes de comédia romântica.

Comments
One Response to “O Par Perfeito”
  1. Liana disse:

    A pessoa procura saber quantos quilos tem um lençol para por na máquina de lavar e acaba nu, blog lendo a vida alheia toda… parece até um pouco de intromissão. Mas é meio engraçado às vezes cruzar com uns textos assim, meio quase que de um diário, e perceber que não teriam saído muito diferentes se quem escrevesse fosse eu. =P

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Minha Vida Antes dos 30 em números

    • 25,917 acessos
%d blogueiros gostam disto: