Um sempre sai por baixo.

Para falar sobre fim de relacionamento, vamos começar com um exemplo ilustrativo. Imaginem a situação hipotética de um casal conversando em um restaurante:

Enquanto isso, já num momentinho de silêncio entre conversinhas, rodando a bebida no copo para enrolar na hora de beber, ele diz:
Ele: amor… tava pensando… vamos terminar?
Ela: jura que você quer isso?
Ele: ah… andei pensando e não está como era antes… nem como eu queria… e…
Ela: vamos terminar já! Que sufoco! Por que não puxou logo esse assunto na conversa?
Ele: oi?
Ela: tá chato mesmo. Vamos terminar? Super pensei isso.
Ele: sério?
Ela: sério. Pensei nisso na sexta-feira 13 de dois meses atrás…
Ele: eu também tive a ideia na mesma sexta-feira 13 do mês retrasado! Perfeito, assim ninguém cansou de ninguém antes!
Ela: olha, até nisso combinávamos! Que lindo eramos!
Ele: não é? Demais. Agora poderemos ser livres e procurarmos pessoas que realmente nos completem!
Ela: nem me diga!
Ele: não precisarei ficar fingindo que ligo para suas reclamações da vida! Poderei jogar video-game sem você reclamar!
Ela: não precisarei fingir que acho super interessante ver você jogando aquela joça! Poderei reclamar com alguém que me escuta de verdade!
Ele: nossa vida mudou!!
Ela: simmm!! Nossa vida mudou! Um brinde ao término!
Eles brindam harmoniosamente, se abraçam, dividem a conta irmanamente na metade e vivem felizes para sempre.

Entendeu o motivo dessa situação ser hipotética? É mais fácil alguém prever os números ganhadores da mega-sena que conseguir ter um término dessa maneira. Quando se termina um relacionamento, alguém sempre sai por baixo, e não tem jeito. Isso se deve a vários fatores. Falemos de alguns:

1 – Alguém tem que ceder: e alguém cede. Um reclama dos amigos, o outro deixa de sair com ele; depois reclama do vício de filmes ou seriados, ou video-game, e ele larga disso; daí reclama da mãe… bem, neste caso, não preciso dizer que é melhor trocar de parceiro que de mãe, não é?

2 – Quem é você? : pois é, é uma exigência daqui, outra dalí… e no final você nem reconhece a pessoa com quem está namorando. A pessoa que você conheceu e gostou saia com AQUELES AMIGOS, tinha AQUELA MÃE e vivia NAQUELA REALIDADE. Se mudar tudo isso, muda o pacote todo.

3 – Os 12 trabalhos de Hércules: para se encontrarem, para saírem, para ficarem juntos, o casal pode optar por diversas saídas, como dormir na casa dele, ou ele levar ela para viajar e ficarem juntos em um hotel, qualquer coisa vale. Ele passa na casa dela com o carro para irem à festa, ou ela pega carona com amigos para encontrar com ele, vale tudo. O que não vale é: ele busca ela na porta dec casa, ele paga a conta, ele ouve reclamação, ele leva ela de volta para casa, ele liga todo dia… ele ainda não percebeu que todas essas orações começaram com o sujeito “ELE”? O que ela faz? Ela xinga ele de burro quando ele erra algo, ela reclama quando ele chega atrasado para buscá-la, ela não bota um real de combustivel no carro dele, ela se acha a última bolacha do pacote e ela merece é um belo pé na bunda, rapaz. Você não é semi-deus para conseguir fazer tudo.

4 – Diálogo não é monólogo: conversas devem acontecer quando as coisas estão ruins, e se você acha que as coisas estão desandando, converse. Porém, o que acontece é que o injustiçado ou iniciador da conversa acaba sendo silenciado pela outra pessoa, folgada, que não para de falar para não ouvir o que não quer. Quem se explica demais tem culpa no cartório, portanto se você reconhece que há problemas no relacionamento e quer consertá-los, chame a conversinha e faça-se ser ouvido. E lembrem-se da regra: diálogo é como ping pong, um fala, o outro fala, daí um fala, daí o outro fala, e por aí vai.

5 – Entre tapas e beijos: briguem, esperneiem, discordem, mas, se depois de tudo isso, não tiver um agradinho, um abraço, uma mordida, um beliscão e uma noite juntos, pense algumas vezes se tudo isso vale a pena. Namoro não tem carteira assinada, você não precisa esperar seis meses para sair, muito menos ganha algo por ter aguentado mais tempo do que realmente deveria.

6 – Alguém para salvar a pátria: sempre tem um que faz de tudo para que o relacionamento dê certo, enquanto o outro não. Quando um não quer, dois não brigam. Mas se só um está se matando para fazer isso dar certo, será que vale a pena? Namoro não é como dupla olímpica de vôlei, os dois não saem juntos com medalhas de ouro no pescoço, aliás, nem medalha você ganha por toda a dor de cabeça. Ou os dois remam, ou o barco vai para um lado só.

7 – Ouça a voz da experiência: ouça os conselhos da mamãe, com que você conversa sobre seu namoro, ou dos amigos que não são alvo de ciúmes do relacionamento, ouça, pense nos conselhos, e se for oportuno, aplique-os. Muitos desses, principalmente de familiares ou amigos muito próximos, não serão para acabar com a sua felicidade ou por inveja do seu namoro, mas por saberem o quanto aquilo era o que você queria ou não, ou que você merece muito mais que isso.

8 – Não chute cachorro morto: o que não tem conserto, não tem conserto. Pare de ficar levando algo que já está acabado adiante só porque “durou tantos anos”. senão depois você vai ficar se lamentando dos anos que você perdeu esperando o defunto levantar.

9 – Um erro não corrige o outro: um errou? Conversem. Não rola outra chance? Vão cada um para um lado (mesmo que a ação seja mais difícil que o discurso). Resolveu dar outra chance? Então não maltrate, afinal, você decidiu deixar tentar de novo, tenha palavra você também. Se era pra judiar, que terminassem logo. Pronto.

10 – Não espere um gol de virada nos 45 do segundo tempo: Se vocês estão juntos ha, por exemplo, 2 anos, e um ano inteiro só tem dado briga, para que insistir? Você acha que depois de tanto tempo sem dar certo, o Papai do céu vai descer na Terra de bungee jump, calçando um tênis Nike e, com a mão direita usando um relógio de pulso Swatch, vai tocar na consciência docompanheiro fazendo com que ele mude da água para o vinho? Ahhhh, senta lá, Cláudia! Nem o David Copperfield faz essa mágica!

11 – Não ignore o que você ouve ou percebe: não digo para ficarem psicopatas achando que todo mundo que mandou mensagem no Facebook do seu amor está dando em cima dele ou é uma paquera em potencial. Mas se já faz um tempo que você está achando que a coisa já não é a mesma ou que não está dando certo, dê ouvidos ao seu sexto sentido e conversem, bem conversado. Você não vê “dead people”, mas seu parceiro está bem vivo, então acorde.

12 – Não procure dores de cabeça, pois você vai achar: o negócio é confiar e ser confiado. Se você ficar correndo atrás de problema, procurando alguém que dá em cima, procurando mensagenzinhas escondidas e congêneres, você vai achar. Isso não significa que se alguém dá em cima do que é seu, comcerteza vai conseguir, afinal relacionamento não é joguinho de baralho tipo “rouba monte”, então pare de dar asas à imaginação e confie no seu taco.

13 – E, finalmente, não espere ser a vítima: não espere LEVAR o pé na bunda para culpar o outro, não espere o outro fazer algo errado para dizer que isso foi o motivo do término, não espere tudo chegar ao fundo do poço. Afinal, você abre o paraquedas quando está caindo, e não quando já chegou lá embaixo. Ter sido “o recusado”, “o enganado”, porque a vida não tem Oscar de melhor ator, você não ganha nada com isso e ainda vira O CHATO com os amigos, pois o assunto é sempre esse e o pior, isso aconteceu porque você ignorou os conselhos deles, deixou de sair com eles por causa do seu namoro e por aí vai. Ter pena de si próprio só faz mal à autoestima.

Em suma, é complicado terminar justamente porque um sempre sai por baixo. Ao menos um dos dois ainda amava, um dos dois ainda queria tentar, um dos dois ainda tinha planos e achava que poderia dar certo, e quando chega na hora do “acabou”, por pior que estivesse a situação, vem a saudade, o arrependimento, o “podia ter sido diferente”… Podia, mas não foi, e não é só um que vai fazer a situação mudar. Pense, reflita, você é maior de 18 de vacinado, e por menos experiente que seja, você não é burro. Não estou dizendo para abandonar o barco no primeiro sinal de perigo, mas não precisa esperar até o último toque da sirene de alerta. Você sabe do que gosta, do que não gosta, do que “pode ser” e do que você com certeza não quer, portanto, não ignore isso. Na vida, sempre existem aqueles que vivem esperando que o outro mude, mas ele nunca muda, enquanto os outros esperam que o outro nunca mude, mas ele muda. E disso é feita nossa existência, de evoluções. Evoluam juntos.

Ficar assim até quando?

Ficar assim até quando?

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Minha Vida Antes dos 30 em números

    • 25,917 acessos
%d blogueiros gostam disto: