Rapidinhas do Jovem: cidades pequenas

Fato: eu odeio passar feriados em cidades pequenas. É tranquilo, é calmo, é pacato, é um conforto para a alma, e exatamente por isso não é para mim. Minha alma ainda não é aposentada e raquítica, portanto não precisa descansar, ela quer produzir, e muito. Ficar muito tempo num lugar desses me dá um mix de sensações de Alzheimer, porque parece que estou preso no tempo, e de dejavu, porque parece que eu já vi o que vai acontecer: NADA.

Para se ter ideia do absurdo, ao sair de casa na metrópole acabei esquecendo uns remédios pois precisava comparecer na rodoviária com antecedência, já que as passagens foram compradas por internet. Lembrei disso no meio do caminho. Chegando aqui, corri para a farmácia de manipulação e liguei para o meu médico para passar a receita por fax para poder fazer o pedido do remédio. Começou a frescura no momento em que eles preferiam que mandasse para eles tudo escaneado ao invés de fax, mas recusei a ideia porque fax seria muito mais rápido. Em uns quinze segundos, chegou a receita. Então a moça começou a ver o que seria necessário para a fórmula.

Começou outra epopeia. Primeiro ela não sabia como procurar os itens no sistema. Segundo, ela não tinha certeza se tinha todos os elementos na farmácia (isso porque é a melhor da cidade). Terceiro, ela demorou para entender que a maioria dos itens que iam na LOÇÃO eram SOLUÇÕES, líquidos, então ela demorou mais ainda para achar. Muitos minutos depois, tudo certo, já deixei pago.

No dia seguinte, simplesmente não me avisaram que essa cidade ACABA ao meio dia no sábado, e não só não me avisaram como ninguém se deu ao trabalho de ir lá buscar o remedinho enquanto eu dormia. Resultado: fiquei sem. Isso mesmo. Se fosse doença terminal eu MORRERIA de uma vez, porque NENHUMA farmácia abre depois do meio dia nesse lugar. Você não tem o direito de ficar doente e atrapalhar o final de semana dos grandes trabalhadores esforçados. Morra sozinho, e de preferência no domingo, para que segunda eles matem o trabalho pra ficar uns dez minutos no seu enterro.

Por isso estou aqui há um dia e já estou com a paciência no limite. Da próxima vez vou pegar o ônibus errado “sem querer” e parar em algum lugar com pelo menos um milhão de habitantes.

Centro da cidade: o bar mais badalado ao lado da melhor farmácia de manipulação.

Centro da cidade: o bar mais badalado ao lado da melhor farmácia de manipulação.

Comments
One Response to “Rapidinhas do Jovem: cidades pequenas”
  1. Agora, imagine MORAR num lugar assim…. e largue essas lâminas! é só imaginação!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Minha Vida Antes dos 30 em números

    • 25,917 acessos
%d blogueiros gostam disto: